23 marketing possante e dicas de branding voltadas para produzir ainda mais tráfego e receita

1. Marketing 101: Desenvolva uma men­sa­gem cen­tral po­de­ro­sa e con­vin­cen­te. Diga al­gu­ma coisa, di­ga bem, di­ga is­so usan­do fre­quên­cia. Por que os cli­en­tes de­vem com­prar por você? Por que eles de­ve­ri­am dar uma se­g­un­da ol­ha­da? O vi­si­t­an­te pre­cisa con­struir uma re­ca­do po­de­ro­sa que ob­ten­ha pontos-chave sem des­agu­i­sa­do, por­que a des­or­dem é o de que le­va ao aban­do­no. Ainda que es­sa mes­mo que a es­sên­cia de uma cam­pan­ha do bran­ding e mar­ke­ting bem-sucedida, você fi­ca­ria sur­pre­so usan­do a quan­ti­da­de de com­panhi­as que não con­se­guem en­t­en­der es­se con­cei­to.

2. Certifique-se de que sua men­sa­gem prin­ci­pal se­ja ori­en­t­a­da pa­ra pon­tos for­t­es. As pes­soas não com­pram ser­viços ou su­ple­men­tos; eles com­pram os pon­tos for­t­es des­ses ser­viços ou su­ple­men­tos ali­men­ta­res. Em pra­ti­ca­men­te as as suas co­mu­ni­ca­ções, ve­ri­fi­que se sua men­sa­gem se tra­duz em be­n­e­fíci­os es­pecí­fi­cos.

3. Certifique-se de que sua men­sa­gem ini­ci­al di­re­cio­ne as per­spec­tivas pa­ra uma ação es­pecí­fi­ca. Seus cli­en­tes que­rem per­ce­ber on­de des­co­brir as so­luções que pro­cur­am. Isso de­ve fi­car si­gni­fi­ca­tivo pa­ra to­dos os qua­tro prin­ci­pais gru­pos de per­so­na­li­da­de (Amiables, Drivers, Expressives e Analyticals). Quando você con­vi­da os cli­en­tes a ir a al­gum lug­ar pa­ra apren­der co­mo in­ter­agir com seu site e sa­ber mais a re­spei­to de sua em­presa, você têm a pos­si­bi­li­da­de de au­men­tar bas­tan­te seu po­ten­ci­al de con­ver­sões.

4. Desenvolva imagens que apri­mo­rem sua men­sa­gem e in­tri­guem seu público-alvo. As imagens em seu site de­vem sen­tir mel­h­o­ra­men­tos sua men­sa­gem sen­do vi­sual­men­te esti­mu­lan­tes. Às vezes is­so po­de ser ape­n­as uma es­téti­ca; ou­tras vezes, po­de en­vol­ver imagens e con­teúdo de cro­no­lo­gia jun­tos pa­ra us­ar es­te es­pa­ço do manei­ra mais efi­caz e trans­mi­tir uma men­sa­gem de manei­ra mais dis­tin­ta.

5. Progredir uma con­sul­ta de va­lor úni­ca (UVP). Sente-se usan­do um es­pe­cia­lis­ta em bran­ding ou mar­ke­ting e de­fi­na um UVP pa­ra sua em­presa sai­ba co­mo um lem­bre­te de as suas van­ta­gens com­pe­ti­ti­vas. Certifique-se que es­sas van­ta­gens se­jam cen­tra­das no cli­en­te e não cen­tra­das nos ne­góci­os.

6. Incorpore seu UVP em pra­ti­ca­men­te as mí­di­as on-line e off-line pa­ra con­sis­tên­cia e sa­tu­ra­ção da mar­ca. Certifique-se de que sua própria men­sa­gem con­stan­te­men­te rei­tera seus be­n­e­fíci­os com­pe­ti­tiv­os e seu UVP. Você nun­ca sabe em qual as­pec­to da sua mar­ca uma per­spec­tiva po­de re­spon­der, portan­to, ve­ri­fi­que se a men­sa­gem foi trans­mit­i­da de manei­ra con­sis­ten­te em qual­quer mí­dia que você usa.

7. Diga aos fre­guês o de que eles que­rem ou­vir, não o de que você quer di­zer a eles. Nós cha­ma­mos is­so de mar­ke­ting de den­tro pa­ra fo­ra. Com mui­ta fre­quên­cia, as em­pre­sas, nen­hu­mas sa­ber, concentram-se no que que­rem di­zer, em vez de no que os cli­en­tes que­rem ou­vir. Uma per­spec­tiva ex­ter­na com um ver­da­dei­ro 360? A visão de sua própria em­presa do pon­to por vis­ta do cli­en­te é mel­hor rea­liz­ada com o aúxi­lio de uma em­presa de bran­ding e mar­ke­ting qua­li­fi­ca­da que possa de­ter­mi­n­ar os cli­en­tes? ati­tu­des, ex­pec­ta­ti­vas e re­qui­si­tos.

8. Construa va­lor, não té­dio. Deixo es­te cá pa­ra Napoleon Hill: Foi in­ú­til ten­tar ven­der um ser­viço a um ho­mem até mes­mo que o vi­si­t­an­te o pos­sua fei­to 1o que­rer ou­vir co­mo se­ria or­den­ar de que a Terra pa­ras­se por ro­dar?

9. Lidere usan­do um ca­beçal­ho e fe­che com um call to ac­tion. É es­pe­cial­men­te mui­to mui­to mais pro­vá­vel de que os lei­to­res lei­am sua men­sa­gem, whi­te pa­pers, estu­dos de ca­so, etc., se você de­s­pert­ar in­ter­es­se ou cu­rio­si­da­de atra­vés de ca­beçal­hos bem escri­tos, ca­beçal­hos do tran­sição, con­teúdo do cor­po e calls to ac­tion que le­vam ao próxi­mo pas­so em um ci­clo de ven­das. Visite com­panhi­as de mar­ke­ting e desen­volvi­men­to de mar­cas pa­ra ob­ter de­tal­hes sob­re co­mo pro­du­zir uma mar­ca de ge­ra­ção de ven­das.

10. SCAN EU SOU. Os lei­to­res de ho­je não lêem, eles di­gi­ta­liz­am. Eles pro­cur­am áre­as de in­ter­es­se, ofer­tas, links pa­ra in­for­ma­ções re­le­van­tes, etc. Por is­so, é es­pe­cial­men­te im­port­an­te con­fi­gur­ar o post pa­ra que ele possa ser ra­pi­da­men­te ve­ri­fi­ca­do. Artigo on-line não é li­ne­ar co­mo 1 liv­ro; foi in­te­ra­tivo com­ple­tar usuá­ri­os? de­man­das não-lineares.

11. Desenvolva um blue­print de mar­ca que most­re cla­ra­men­te sai­ba co­mo você es­pe­ra que as per­spec­tivas in­ter­a­jam com as suas men­sa­gens. O pro­je­to de­ve co­meçar com um es­bo­ço e mostrar to­dos os ca­min­hos de to­das as for­mas por co­mu­ni­ca­ção e co­mo eles le­vam a ven­das fir­mes. Mais uma vez, os pro­fis­sio­nais de mar­ke­ting e bran­ding po­dem aju­dar a desen­vol­ver 1 pla­no.

12. Analise seu pro­gra­ma. Peça que ou­tras viz­in­hos ava­liem seu pla­no. Reavalie e ajus­te. Nenhum pla­no é per­fei­to e qual­quer pla­no de­ve ser con­stan­te­men­te aju­sta­do pa­ra ma­xi­mi­zar sua eficácia. É fun­da­men­tal au­ditar con­ti­nu­a­men­te seu pro­gra­ma de mar­ca e to­da sua mí­dia de mar­ke­ting.

13. Reavalie de no­vo.

14. Ajuste seu blue­print pa­ra se ade­quar ao mer­ca­do, ten­dên­ci­as, tec­no­lo­gi­as, de­man­das de cli­en­tes, etc. Revise tri­mes­tral­men­te. Toda mar­ca de êxi­to no mun­do é otimiz­ada re­gu­lar­men­te. A mar­ca é es­pe­cial­men­te um es­for­ço con­tí­nuo, não uma ocor­rên­cia úni­ca.

15. Use fer­ra­men­tas men­surá­veis pa­ra rast­re­ar a res­posta do cli­en­te em po­ten­ci­al. Use for­mu­lá­ri­os on-line e re­gis­tros de te­le­fo­ne pa­ra rast­re­ar as res­postas des­tes cli­en­tes em po­ten­ci­al. Capturar in­for­ma­ções atra­vés de mei­os le­gí­ti­mos per­mi­te que você fa­ça es­te re­mar­ke­ting pa­ra es­sa ba­se de cli­en­tes e apre­cie quais for­mu­lá­ri­os, pro­gra­mas, fer­ra­men­tas e ven­de­do­res es­tão ob­ten­do os mel­ho­res re­sul­ta­dos.

16. Construa uma lis­ta. Use for­mu­lá­ri­os on-line e re­gis­tros te­le­fô­ni­cos pa­ra pro­du­zir uma lis­ta de pos­sí­veis cli­en­tes em po­ten­ci­al pa­ra atuar tais co­mo uma po­de­ro­sa fer­ra­men­ta de con­ver­são. (Ver ab­ai­xo. )

17. Remarketing, re-market, re-market. Um cli­en­te po­de vir a pre­cis­ar ver uma re­ca­do mais do cin­co vezes pa­ra no­tar uma vez! Mantenha seus es­for­ços por mar­ke­ting in­do e vin­do.

18. Não se es­queça de re­ferên­ci­as! Crie um pla­no es­pecí­fi­co pa­ra rast­re­ar, ge­ren­ci­ar e pe­dir ne­góci­os do re­ferên­cia. Gostamos de cam­pan­has de e-mail e ma­la di­re­ta pa­ra is­so.

19. Up-selling! Sua ba­se de cli­en­tes exis­ten­te foi sua mel­hor fon­te por mais ne­góci­os. Desenvolva um pla­no for­mi­dá­vel pa­ra ga­ran­tir que seus cli­en­tes saib­am quais ser­viços você for­ne­ce e de que você man­ten­ha suas men­sa­gens prin­ci­pais e ou­tras men­sa­gens re­lacio­na­das na fren­te por seus cli­en­tes com a maior fre­quên­cia pos­sí­vel. (Pode le­var até mes­mo 10 for­mas de con­ta­to pa­ra um cli­en­te se iden­ti­fi­car com sua mar­ca) Lembre-se, ven­da os pon­tos po­si­tiv­os, não o ser­viço!

20. Use pro­gra­mas e fer­ra­men­tas pa­ra ge­rar in­ter­es­se. Pessoas go­st­am de sim­pli­ci­da­de e pa­cotes, ofer­tas e ofer­tas fáce­is de en­t­en­der e ava­li­ar. Ao cri­ar vá­ri­os pa­cotes ou fer­ra­men­tas gra­tui­tas pa­ra os cli­en­tes po­ten­ci­ais in­ter­agi­rem, você têm a pos­si­bi­li­da­de de esti­mu­lar o in­ter­es­se que po­de ter di­mi­n­uído de ou­tra for­ma.

21. Bata-os de to­dos os ân­gu­los! É com o no­me de de mar­ke­ting de es­pin­gar­da. Uma con­cha de es­pin­gar­da con­tém cen­ten­as de pe­que­n­as bo­las de chum­bo, au­mentan­do sua chan­ce de ajun­tar um can­di­do. Marketing é es­pe­cial­men­te pra­ti­ca­men­te o mes­mo – quan­to mui­to mais mí­dia o vi­si­t­an­te us­ar efe­ti­va­men­te, maior a chan­ce que sua re­ca­do se­ja vis­ta e lem­bra­da. Não exis­te so­lução se­creta pa­ra mar­ke­ting; tu­do se re­su­me a cri­ar uma ex­pe­riên­cia do usuá­rio per­fei­to em pra­ti­ca­men­te as pla­ta­for­mas que pro­jet­am sua mar­ca.

22. Use tec­no­lo­gi­as e ten­dên­ci­as; Eles são seus ami­gos! O uso por vá­ri­as tec­no­lo­gi­as, co­mo re­ser­vas on-line, re­ser­vas, for­mu­lá­ri­os de res­posta, down­loads de PDF, blogs, wi­kis, me­ca­nis­mos do pes­qui­sa in­ter­n­os e news­feeds po­de ter um virtu­de drá­sti­co na iden­ti­da­de ge­ral da sua mar­ca e na sua própria es­tra­té­gia do mar­ke­ting em ge­ral. Existe mui­tos pon­tos for­t­es pa­ra ent­rar aqui, po­rém fi­que à von­ta­de pa­ra con­sul­tar em­pre­sas cria­ti­vas de web de­si­gn pa­ra sa­ber mais.

23. Chamadas pa­ra ação. As cha­ma­das à ação tal­vez se­jam o as­pec­to mais im­port­an­te do mar­ke­ting e da pu­bli­ci­da­de. Afinal de con­tas, de que ser­ve uma men­sa­gem ou imagem se ela não ini­ci­ar uma ação que le­ve a uma con­ver­são? Ao desen­vol­ver uma cha­ma­da à ação, lembre-se dos qua­tro ti­pos do per­so­na­li­da­de e fa­ça uso das tec­no­lo­gi­as dis­poní­veis pa­ra fa­zer ofer­tas atraen­tes e in­te­ra­ti­vas. O vi­si­t­an­te de­ve de­ter um úni­co ape­lo à ação pa­ra ca­da es­pé­cie de pes­soa que re­pre­sen­ta sua ba­se de cli­en­tes. Por ex­em­plo – Visite as agên­ci­as do pu­bli­ci­da­de e mar­ke­ting da mar­ca pa­ra sa­ber mais sob­re mar­cas www.basicware.nl do su­ces­so e pa­ra so­li­ci­tar uma ava­li­a­ção gra­tui­ta da eficácia das suas pági­nas ini­ci­ais.

Comments are closed.